domingo, 11 de janeiro de 2015

Suddenly I see...

"..this is what I wanna be/ Suddenly I see, why the hell it means so much to me" (Suddenly I see / KT Tunstall)
O post de hoje começa com este trecho porque essas frases nunca significaram tanto para mim o que elas tem significado agora. Calm down, vocês ler e entenderão o porquê.
Era segunda-feira, 29/12/2014, meu primeiro dia na escola, a LSI, e eu já tinha tanta coisa para  aprender e lidar logo de manhã: como usar a torradeira, a cafeteira, onde achar os utensílios e as comidas - isso porque pedi café da manhã aqui na host family- entre mortos e feridos, consegui me alimentar bem. After this,  fui em direção ao meu segundo embate do dia: o caminho da casa ao ponto de ônibus.
Feito. sem maiores complicações. Foi tudo certo, lindo e rápido. As pessoas te ajudam e demonstram ser muito educadas- ponto a favor para os americanos. 
Terceiro embate: pegar o trem e parar na estação mais próxima da escola, a South Station. Consegui com muita facilidade lidar com esse meio de transporte - gente, sou de cidade pequena, achei que fosse um bicho papão, mas nem era- e cheguei na S.S  em cerca de 30 minutos. 
Ixi, aí que deu ruim. Estava cheio de mapas feitos pelo google, cheio de indicações escritas dadas pela escola, pela host mother, mas sei lá, me perdi. 
Foi aí que você tive que rebolar, usar meu inglês e  da minha falta de vergonha, perguntar, depreender a resposta e, sobretudo, manter a calma, porque meus entrevistados didn't know  onde ficava a Beach Street. 
Fiz o caminho inverso várias vezes, voltava na estação onde desci e tentava seguir o mapa do google. Fui brincando de fazer isso por uns 30 min. Sorte a minha que tinha saído de casa mais cedo, mas o medo de chegar atrasado no primeiro dia batia forte. Pra piorar, tinha aquele vento super gelado na minha cara, parecendo que ia me cortar and it doesn't matter if você está usando 50 ou 854 blusas, o que você sente no seu rosto não muda. rs
Pronto. I got it. Cheguei. Foi aí que caiu a ficha que eu tava miles away da minha casa, da minha rotina, dos trajetos que eu fazia rotineiramente, que ligar para a minha super mãe ou para o meu super pai não adiantaria de nada. Ali era eu comigo mesmo, bem Me, Myself and I. Naquela hora, tive a certeza que a Ú-N-I-C-A pessoa que pôde me ajudar de fato fui EU mesmo. acho que é isso que faz a minha viagem alone ser mais intensa.
Talking about the school, escolhi a LSI porque ela é a escola que o Guilherme me ofereceu lá na empresa. Para mim, estudar fora é de suma importância porque alguns estabelecimentos e alunos sempre valorizam experiências no exterior e nada melhor do que aprender no lugar onde a língua é falada, sem contar no upgrade que o certificado que receberei vai dar no meu currículo, né?!
Em um primeiro momento, os "novatos" da semana, la estava o Bernardininho dentrre eles, foram colocados na mesma sala e foram explicadas algumas regras : preciso tirar 70 nas provas semanais, ter 80% de presença nas aulas, não posso usar celular, etc. Depois desse momento, o Tim deu início ao nivelamento, fiz prova de reading, speaking, listening and write. Provas corrigidas, caí na turma avançada, mas aulas mesmo só no dia seguinte. Fiquei super feliz de cair numa turma avançada, esse resultado e alguns elogios que recebi dos professores da LSI logo no primeiro dia foram importantes para me fazer sentir more confident about myself and about my English level.
Já sabia então o caminho da estação para a escola, tinha feito as provas, o que me restava naquela hora? Decidi me jogar nos arredores. Fui andando por Downtown Boston e Chinatown. Foi nesse momento que percebi que não há dinheito nenhum que pague- ok, tudo mundo usa essa expressão, mas não lembro de outra-, esse feeling de descobrir por si mesmo, de se arriscar, de viver, de ser livre e de se virar no jeito que tem que ser feito, falado, whatever. (pausa para fotos)
Esta é a famosa Opera House lá em Chinatown, que encontrei por acaso, meio "perdido". Pertinho dela, fica um teatro/cinema da Paramount.

E acabei me pegando brincando com o timer nas ruas de Downtown Boston.
Voltando pra estacão, acabei me deparando com essa praça/ parque super charmosa.
Eu sentadinho no banco da praça, achando que o frio não era capaz de me incomodar. Ahh, esse é o casaco que comprei na H&M. Lindo, ne?! Foi super barato, $30,00, coisa que jamais acharei em terras tupiniquins por esse preço.
Continuando...
É aí que a música faz sentido pra mim, que "de repente eu vi que isto é o que quero ser" - na minha interpretação inclui-se tb "viver, sentir, experienciar", "por que diabos isso significa tanto pra mim"?
It means that essa experiência, o que vivi e tenho vivido aqui estão me fazendo ser mais consciente da pessoa que eu sou, de até onde posso chegar, ela tem me mostrado e me dado também o sentimento de que posso fazer acontecer.
É isso, agora vou começar a mostrar os lugares que tenho ido e conhecido, o que tem valido a pena comprar etc.
Espero que vocês tenham gostado.
Xoxo,
B.

4 comentários:

  1. sempre uma maravilha ler da sua estadia aí... desde qd vc conta das suas excelentes notas nas provas, até quando fico preocupada com seu rosto rachando... mas sabendo que tudo, até perder-se, está sendo feito em Boston, nos EUA, nessa terra que representa tanto... nesse sonho que representa tanto... nada mais que felicidade. de novo, mil vezes: vc merece.

    ResponderExcluir
  2. Sempre quis te conhecer (:
    Você parece ser divertido e de bom coração!
    Sou sua fã!
    Aproveite!

    ResponderExcluir
  3. Legal o blog, seus depoimentos e dicas! Vou conhecer Boston este ano, mas a passeio. Alguém pode me indicar um bom seguro viagem? Bjs, Raquel.

    ResponderExcluir
  4. Conheci Boston no ano passado. Gostei mto! Apesar de ser uma cidade grande, é tranquila e tem características de cidades do interior tbm. Raquel, o seguro eu fechei c/ a www.touristcard.com.br Eu até apresentei um cupom (tourist15) e ganhei um desconto. Veja se ainda está valendo. Abç Joaquim

    ResponderExcluir