sábado, 14 de setembro de 2013

Minha militância - alimentação com menos química

     Eu não como nada de pó. Suco de pó, sopa de pó, pó de miojo, tempero de pó/ cubinho, nada de pó. Nada.
     Minha vida tinha muito (vamos colocar, aí, até uns 17 anos de idade): miojo com pozinho, CupNoodles, Sazon, caldos de cubnho, mais miojo, Sopão, miojo de novo (já falei miojo?).
     Sim, comia muito miojo, mas compensava que a comida feita aqui em casa nunca foi carregada no sal. Então considerem que eu comia o tal do tempero de pozinho normalmente, como você que tá aí deve comer. Um belo dia eu cheguei da escola, almocei normal. De tarde, comi um pão de sal e deitei pra cochilar [bons tempos]. Acordei com a maior dor de estômago da vida. Descomi tudo umas duas vezes e de noite não aguentei, pedi pra ir pro hospital.
     Eu tava no terceiro ano (ou no cursinho, não lembro). O que lembro é o médico brigando comigo, dizendo que eu tive uma crise epigástrica por stress e má alimentação. Na época (ah, lembrei, tava no cursinho) eu lanchava na rua em que estudava e bebia também, ainda que muito às vezes, o tal do refresco de pó, que era barato. O médico na época me alertou para os ácidos que esses compostos contém e, pior - a química que compõe tais produtos.
     Gente, vem comigo: é normal que um pó amarelo tenha gosto de frango a molho pardo? E que sua validade seja de anos? Vocês acham, do fundo de suas inteligências, que ali rola algum tipo de frango de verdade? Que a cor do Sazon vem inteiramente do urucum? Que no pó do suco Fresh tem, mesmo, tangerina?
     Eu alertei pra tal da química. Queridos, nosso corpo é natural. Somos organismos vivos que convivemos e sobrevivemos a partir de combustíveis (ar, alimentos), grosso modo falando. O mundo, na perfeição da Criação, existe pra servir aos seres vivos e à sua manutenção de qualidade. Tudo de que você de fato precisa está na natureza. Aí vem nóis e pimba. Química. Não sou contra a ciência, sou contra a gente assumir pra nós um estilo de obtenção de recursos (aqui, falamos de comida e bebida) a partir de coisas que são, puramente, químicas, que não contém nada de natural, aquilo que nosso corpo está pronto a receber e reconhecer.
     Como funciona um veneno? É um composto estranho que reage de determinada maneira que faz com que seu corpo estranhe, falhe, cause problemas, até mesmo a morte. A química usada na maioria dos alimentos hoje pode ser considerada um veneno. Vem comeego: seu corpo está apto para reconhecer produtos da natureza. Se você comer uma comida do planeta X, capaz de morrer. Por que? Seu corpo não a reconhece como comida, é uma ameaça, é um corpo estranho, não é da sua natureza. Aí você come um pó que tem gosto de picanha ao alho. Aham. Tão sacando?
     O que quero dizer é que a gente tem que se conscientizar que nosso corpo não quer, não pode, não deve receber aquilo que não é da sua natureza. Claro que é uma utopia, em sua totalidade, tem agrotóxico e conservante em tudo que se acha em prateleiras hoje em dia. Tô falando aqui de redução, de consumo consciente, de escolher o melhor/ menos pior - o que é, no caso hodierno, uma obrigação.
     Mas, pô, tomo Coca-Cola há anos e nunca morri.
     Que bom! Se você não tem gastrite nem sobrepeso nem celulite nem diabetes, parabéns, sortudo!! É lógico que você não morreu. As empresas não jogam venenos nas doses mortíferas na sua garrafinha fofinha de coca-cola. Não. A dose que vai ali é pequena, não vai te fazer mal hoje, a Anvisa libera, tá de boa. Enquanto você acreditar que está consumindo aquilo e tá de boa, quero te lembrar que não existem níveis seguros para consumo de substâncias maléficas! Principalmente se potencialmente cancerígenas.
     Tá achando que é drama?
     Ok. Eu fui pro hospital, tomei soro e mondicoisa que nem compensa falar aqui. Não acho normal que uma caixa de leite tenha validade de um ano, se o leite natural não dura três dias na minha geladeira. Não acho normal um pó ter gosto de frango a passarinho. Não acho normal meu dedo ficar laranja fosforescente quando como Doritos. Não acho normal que os níveis de corante caramelo IV na Coca-Cola sejam absurdamente maléficos e altos aqui no Brasil e que esses mesmo níveis sejam baixíssimos na Califórnia devido a uma lei.
     Essas químicas não são reconhecidas pelo seu corpo. Já parou pra pensar que comer e beber é colocar coisas dentro do corpo que você é? Dentro de você? Já parou pra pensar que, enquanto você acha que está arrasando comento Ruffles, você tá consumindo todo o sódio que deveria comer num dia inteiro? Que um Big Mac tem sódio pra mais de um dia? Isso não pode ser considerado normal, gente. Cada dia mais vejo gente diabética, hipertensa, molenga, desanimada, com gastrite, stressada, com câncer, infartada. Nosso corpo não processa tanta poeira do mal.
     Quero fazer terror? Ma nem pensar. Agradeço muito ao mo que me ajudou a hoje ter essa consciência e essa preocupação. Quando a gente tem 17 anos a gente acha que tá na prateleura, tá bom; se fizesse mal não deixavam vender. Mas a lógica do mercado é dumal e eles querem mais que você se foda.
     O que quero é iniciar aqui minha militância: sim, encho o saco dos meus amigos quando abrem um produto desses perto de mim. Sim, não dou refrigerante pra minha sobrinha, nem tomo há anos. Sim, não como nada de pó há anos. Sim, tomo leite de caixinha de vez em quando. Mas minhas escolhas são mais inteligentes - não virei uma eremita, mas sei que a pipoca de micro natural é muito melhor pra mim que a sabor bacon - que de bacon, mesmo, não tem nada.
     Vamos tomar a consciência e a responsabilidade sobre aquilo que somos e aquilo que seremos. Muito fácil é seguir na correnteza, fechar os olhos e rir de textos como esse achando que é conspiração e coisa de gente que acredita no Dan Brown. No fim das contas, as consequências serão, mesmo, nossas.

Assiste isto aqui, inclusive. Mas assiste tudo.


ps: dá pra se divertir, e muito, com comida, ter vida social, fazer gordice e, ainda assim, sair dessa cilada, viu? stay tuned ;)

ps2: mo, se não fosse você... obrigada por tudo.

4 comentários:

  1. Amg,

    O wordpress, de sacanárgi, apagou meu lindo comment twice.
    Como eu passei por cima do stress e esmaguei ele porque o mundo merece o meu amor, e não o meu ódio, reescreverei.

    O seu post ficou perfeito. Ele diz muitas coisas em que eu acredito, a questão da intoxicação por química alimentar - inclusive seus exemplos são muito claros e pertinentes -, e também de um vício que eu estou tentando controlar (a bendita Coke - mas eu estou enjoando dela, VIVA \o/ Só não tive coragem ainda de ver o vídeo... HAHA).

    Outro dia eu fui envenenada por um miojo de "talharim à bolonhesa". Pela cor da porcaria eu sabia que ia dar problema. Uns dias depois de comê-lo, acordei com um olho e com os lábios inchados, ressecadíssimos e coçando muito. Demorou um tantinho pra voltar tudo ao normal (exceto o olho, que ainda não curou totalmente. Mas tem a ver com os esmaltes também, né? :/)
    O médico disse que não era um quadro alérgico (ele não soube me dizer o que era, na verdade), mas eu estou certa de que foi o miojo. A gente sente essas coisas, tem jeito não.

    Enfim. Amei o post. Saudades muitas :(

    <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que alegria seu comentario (tirando a parte da alergia etc). Acho muito bom qd tem mais gente q vê positividade na percepção dessas coisas. A minha vida realmente mudou em todos os sentidos e tenho muito orgulho de ver uma pele melhor, cabelo, dor de cabeça, tudo melhorando - e, sim, a gente sabe o que fez mal a gente. Sabe qd vc ta passando mal e nao sabe por que...é só ir pensando nas coisas q vc comeu; qd uma delas fizer vc fazer careta, pode saber q acretou. a gente perdeu muito do instinto, do que de "bicho" a gente tem/ deveria ter de sacar essas coisas com as ferramentas. a mesma bendita "inteligencia" q cria os pozinhos nos bloqueou de perceber essas nuances.
      mil obrigadas pelo comentário.
      fuja do miojo bolonhesa - eu continuo comendo miojo, mas jogo o pozinho fora!! tenpero de varios jeitos. depois vou mostrar aqui.
      continue enjoando da coca.
      VEJA O VIDEO! rsrsrsrs

      mil saudades :)

      Excluir
  2. Joyce, sua linda. Primeiro eu queria dizer que: eu amo o blog hahaha. Adoro o clima inteligente sem ser chata.

    Mas então, vamos ao post... Preciso dizer que concordo com tudo que vc disse, minha caminhada ainda tá no começo, a única coisa que consegui efetivamente foi me livrar do refrigerante que não bebo há anos. Já que to comentando, vou contar história... Antes, tipo quando eu tinha 15 anos, eu só bebia: água, coca-cola, leite. Sim, essas eram as tres únicas coisas que eu bebia NA VIDA. Nada de suco (nem natural e nem de pó), nada de mates, chás, etc. Nada de café, achocolatado, sustagem, NADA. Além disso eu bebia muito mais coca-cola do que água e leite. Até eu arrumar uma gastrite, porque além disso tudo, eu me entupia de bala (tipo halls e afins, também comia todo dia) e sempre tive essa lance do stress e tal.

    Então, aí eu parei de tomar refrigerante, um belo dia disse "não bebo mais" e não bebi. Aí veio a parte interessante de conhecer bebidas novas (velhas, mas novas pra mim). Hoje em dia a vida é outra, bebo de tudo (quase tudo, eu não gosto tipo de suco de manga). Mas aí eu entrei na faculdade e comia no RU. A comida de lá, junto com todas as outras besteiras que eu como/comia (hamburguer, pizza, pastel, salgado, etc) resultou em esofagite e refluxo. Eu comia qualquer coisa no almoço (ou qualquer hora do dia) e quando ia dormir eu ainda tava sentindo dor de estômago. Enfim, adeus RU, adeus comer na rua. (Gente, a comida do RU é praticamente uma bomba pra saúde, preciso dizer, pode chamar de fresca.)

    Enfim, aí eu engravidei e resolvi que eu tinha que comer de tudo pra dar o exemplo. É verdade, a maternidade faz milagres. E agora qualquer coisa que eu der para o Matheus eu tenho que comer, mesmo que ele não entenda isso ainda, um dia ele vai entender e até lá eu quero ter aprendido a não fazer careta pro xuxu e pra abróba (eu odeio xuxu e abóbora, me dão ânsia, abacate e manga também). Aí que eu tento excluir essas coisas artificiais da vida do Matheus, além de gordura e sal também. Acho isso tão bonito, antes eu pensava que meu filho só ia comer papinha pronta da nestle, depois que eles vêm, a gente vê que não é assim.

    Chega de falar. Só queria dizer que apoio sua causa. Mesmo que eu coma Ruffles as vezes e miojo (sem o pó, pq não gosto mesmo). Beijo sua linda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. comentarios lindos..... morrendo de amor aqui.... :) *aiai*

      amiga, sua história (a da may tb) vai ser acrescida em algum post futuro: nego acha q gastrite é só stress e passa a vida tomando aquelas pastilhas brancas paliativas achando q isso é viver... e nao toman atitude! eu lembro um dia a gnt conversando desse lance de vc ter mudado td, ate na epoca vc tava amamentando e comia só o q era bom pro Matheus ( <3 ). Eu acho isso a coisa mais linda do mundo de se ver mas, se a gente pensar, é sua obrigação de mãe, porque ele não pode ir ao mercado e ler o que tem menos gordura saturada e comprar. é vc que alimenta ele e, por amor e cuidado, vc escolhe.
      o que to querendo com td isso é mostrar q, do mesmo jeito q vc viu o q era melhor p ele e fez e ponto final a gente tem q fazer isso por amor e cuidado c a gnt msm, com nossos eus de 40 anos no futuro... isso q vc fala do seu filho é o exemplo mais foda q eu já vi (e mts maes fazem isso, eu, como tia, tento tb): a gente tem q se livrar desse hedonismo besta de comer o q dá na telha pq tem responsabilidades q sao nossas e de mais ninguém.
      obrigada, demais, pelo apoio, pelos comentarios, por td... nem preciso falar, vc sabe :)

      Excluir