segunda-feira, 13 de maio de 2013

A vida que temos e a vida dos outros

     Quem visita o Shame on you, blogueira sabe de um monte de m* que flutua na internet, mais especificamente no nicho dos blogs. É engraçado, diverte, distrai pra caramba e, além disso, ajuda na auto crítica. Acho sinceramente que a titia que lá escreve presta um serviço.
     Clichezão, que seja.A questão é que não quero escrever sobre isso, mas foi o que me fez chegar à conclusão de que eu queria postar sobre isso. Que tantas vezes tanta gente come carne seca e arrota caviar que me dá nos nervos. Agarro muito abuso de gente que ostenta (tendo ou não tendo) porque isso me diz muito sobre o que vai por dentro: nada.
     Na internet a vida de todo mundo é maravilhosa. No mundo dos blogs, então, nem se fala: looks do dia são uma tela em branco em termos de criatividade e inspiração e são o outdoor do jabá. Propaganda por propaganda eu vejo em tudo quanto é lugar - se entro num blog de moda eu quero ver uma opinião, uma visão, um estilo, um ponto de vista. Editorial de moda não se aplica. E aí a gente entra e é, muitas vezes, enganada sobre o que é e o que não é propaganda e se sente por baixo e compra mais um batom mais um celular, mais uma bolsa. Nem to falando de mim porque nunca nem tive grana pra isso, mas o impulso de preencher o vazio rola solto, em muita gente.
     Nem sei se to conseguindo falar o que eu queria, mas só achei que tava muito grave ficar endeusando gente que escreve em blog porque elas viajam, têm piscina e 79 pares de sapato da marca tal - e fazem questão de esfregar isso na sua cara fazendo um vídeo em que mostram seu armário. Pra que que eu quero ver seu armário? O pior disso é que muita gente - muita mesmo - encara isso como uma espiada na vida de uma artista, um privilégio de participar da maravilha que é aquela existência purpurinada. A simples ideia de alguém fazendo um vídeo do próprio armário just because me endoida. Fica claro que é pra mostrar mesmo. Ostentação. Vazio.
     Disso tudo eu acabo tirando que a gente tem mais é que mudar o que a gente mesma entende por moda/ estilo/ beleza. Se a gente tá achando que é vestir calça listrada de preto e branco enquanto todo mundo tá usando, é importante rever. Moda, pra mim, serve como expressão de nossa individualidade, e não como tela em branco - transparente, vazio, molenga, cheio de rímel e sem opinião.

Nenhum comentário:

Postar um comentário